Janeiro Roxo é o mês da conscientização sobre a hanseníase

SAÚDE
    05 de janeiro de 2022

A campanha tem por objetivo detectar a doença precocemente

 

Você sabe o que é hanseníase? Muitas pessoas não sabem. Por isso, o mês de janeiro ganhou o título de ‘Janeiro Roxo’. A iniciativa de relacionar o mês a uma cor tem o objetivo de chamar a atenção para o tema e esclarecer à população sobre sintomas, prevenção e tratamento. A doença pode causar incapacidades físicas, principalmente nas mãos, pés e olhos.

O Ministério da Saúde alerta que quanto mais cedo diagnosticar a hanseníase, mais cedo a pessoa poderá ser tratada, e assim evitar sequelas. A doença tem cura e o Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza gratuitamente do diagnóstico ao tratamento. O diagnóstico e o tratamento da hanseníase ocorrem nas Unidades de Saúde da Atenção Primária. O diagnóstico é essencialmente clínico, com análise da história do paciente e exame dermatoneurológico (da pele e dos nervos), para avaliação de áreas da pele e/ou manchas com alterações de sensibilidade (ao toque, à dor e à temperatura).

Em alguns casos, o paciente é encaminhado para serviços de referência, para confirmação diagnóstica e, quando necessário, para acompanhamento do caso.

O agente causador da hanseníase é o Mycobacterium leprae, bactéria que tem a capacidade de infectar grande número de indivíduos, e atinge principalmente a pele e os nervos periféricos, com capacidade de ocasionar lesões neurais. Assim, a doença tem alto poder incapacitante, principal responsável pelo estigma e discriminação às pessoas acometidas pela doença.

PRINCIPAIS SINAIS E SINTOMAS

A transmissão ocorre quando uma pessoa com hanseníase, que não faz o tratamento, elimina no ar, por meio da fala, tosse, espirro, o microrganismo, infectando outras pessoas. A doença pode acometer pessoas de ambos os sexos e de qualquer idade. Entretanto, é necessário um longo período de exposição à bactéria, sendo que apenas uma pequena parcela da população infectada realmente adoece. 

O período de incubação do vírus da doença, ou seja, tempo em que os sinais e sintomas se manifestam desde a infecção, dura em média de 2 a 7 anos. Assim que os sinais aparecem, progridem lentamente.

Fonte: Portal Ministério da Saúde – Governo Federal

 

Em Leme, atualmente, existem 10 pacientes em fase de tratamento da doença. Todos os pacientes suspeitos de serem portadores de hanseníase são encaminhados para o CSII, para análise e realização de exames com médicos especialistas.

 

Cronograma de ações em Leme:

Dia: 03 de Janeiro

Local: Unidade de Saúde – Jardim Itamaraty

Rua: Portinari, 400 - Jardim Itamaraty

 

Dia: 04 de Janeiro

Local: Unidade de Saúde – Jardim Primavera

Rua: João Francisco Domenico Seródio,1250 - Jardim Primavera

 

Dia: 10 de Janeiro

Local: Unidade de Saúde – Jardim Empyreo

Rua: Sebastião Osório Martins, 164 – Jardim Empyreo

 

Dia: 11 de Janeiro *DIA D*

Local: Praça “Rui Barbosa” – Centro

 

Outras informações podem ser adquiridas diretamente na Vigilância Epidemiológica, localizada na Rua José Manuel de Arruda Oliveira, 150 – Jardim Bela Vista ou através do telefone 3573.6355.

 

 

SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LEME

 

clique na foto para ampliar